LoL: Conheça a história da nova campeã Samira, a Rosa do Deserto

Samira, a nova campeã anunciada pela Riot Games para o League of Legends, é a primeira atiradora mulher de Noxus. No dia 1 de setembro a splash art oficial de Samira foi divulgada pela Riot nas redes sociais.

No mesmo dia, a comunidade teve a oportunidade de ver as habilidades da campeã, pois a página no site oficial também ficou pronta. Resumindo: Samira parece ser muito apelona. 

Como a Riot gosta de entregar campeões com todas as informações completas, além da splash art, página completa explicando as habilidades, Samira ganhou também sua biografia

A biografia

A biografia dos campeões é importante para termos mais profundidade nas motivações, objetivos e personalidade de cada personagem. Portanto, antes de Samira chegar ao meta oficial, ela já possui muitas coisas para gente conhecer e se identificar. 

Vale a leitura de toda a biografia e os links incorporados, mas vamos fazer um resumão aqui para vocês saberem quem é Samira e quais as relações que ela tem com Noxus. Na verdade, a Rosa do Deserto não nasceu em Noxus e sim em uma tribo shurimane. 

Shurima de fato não existe mais, o império caiu após os embates entre Azir e Xerath. Sem Rei, Shurima se tornou só uma monte de escombros e com a população correndo para outras áreas do grande deserto. 

Samira nasceu e cresceu em uma dessas tribos de shurima, chamada Amakra. Sempre gostou do circo, então desde criança fazia acrobacias improváveis e perigosas para sua idade, mas ela mandava bem demais. 

Mas, quando Samira completou 14 anos, Amakra foi atacada por forasteiros. Ela viu os forasteiros invocarem o nome de um antigo mago – é possível pensar que os forasteiros vieram da destruída Icathia – e capturar cidadãos inocentes. 

Muitos foram assassinados diante dos olhos dela. E isso fez Samira guardar raiva. Raiva por não ter tido coragem, raiva por não conseguir proteger sua terra natal, por ter medo. Desde ela ela prometeu que não ficaria só olhando e nem fugiria. 

Crescendo, Samira passou a ver a morte com uma confiança inabalável, muito mais buscando por aventuras e diversão seja lá qual missão ela fazia. Ela encontrou esse caminho ao se mudar para Bel’zhun, cidade portuária sob domínio noxiano. 

Entre todos os pontos do mapa existentes, para os amakranos, foi Noxus que ofereceu um porto seguro. Para Samira, Noxus abriu uma porta. Em Bel’zhun a Samira conquistou fama com suas acrobacias e seu talento para grupos de guerras e missões impossíveis. 

Como o ramo da batalha dava mais dinheiro, ela passou a entrar nesse ramo perigoso e saiu das acrobacias, mas ainda fez a habilidade ser útil nas guerras. “Empunhando pistolas de pólvora e uma espada personalizada, Samira prospera em circunstâncias de vida ou morte, eliminando – com estilo e rapidez”, como diz na própria biografia da campeã. 

A cicatriz no olho e o tapa-olho

A biografia também explica como que Samira perdeu seu olho direito. Capitã Indari foi uma importante figura para o crescimento de Samira no bando de guerra noxiano. E foi Indari que deu missões bem perigosas para Samira. Por vezes Samira tinha que ir sozinha, mas também fazia missões em conjunto com a própria Indari.

Em uma das vezes, Samira e Indari foram emboscadas. A Capital noxiana enviou o grupo de Indari para as Planícies Rokrund, mas na verdade a fortaleza que o grupo se estabeleceu explodiu. Caíram na armadilha. Nos escombros da explosão, Samira se chocou com uma viga, o que tirou a visão do olho direito dela. 

Indari, no entanto, teve mais ferimentos graves e não podia mais andar. A frustração fez todos voltarem à Bel’zhun e Samira estava totalmente desapontada. Passou a usar um tapa-olho, ser vista como fraca. Não seria mais chamada por outros bandos de guerra, algo tinha mudado. 

Samira com a skin Psyops
A campeã já recebeu a primeira skin, da linha PsyOps, a mais recente que a Riot anunciou. Créditos: Rio Games

Mas ela fez de tudo para voltar às guerras. Voltou à capital de Noxus e encontrou Indari, já aposentada. Pediu ajuda, para que ela voltasse a dar missões secretas e de alto sigilo. Normalmente eram missões impossíveis, mas Samira conseguia fazer.

Se saiu tão bem nesse trabalho que até as pessoas do Alto Comando noxiano a aceitou, “reconhecendo que não havia ninguém mais capaz do que ela para cumprir as missões mais perigosas.” Desde então Samira segue sendo a pessoa atrás de aventuras, morte e diversão. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias