LoL: Entenda as medidas de prevenção contra a Covid-19 no Mundial

O Mundial 2020 de League of Legends organizado pela Riot Games acontecerá na China e começa no dia 25 de setembro. A Covid-19, o vírus que ainda assola o mundo e não possui vacina universal oficial, teve seu crescimento em Wuhan, cidade chinesa que já sediou alguns jogos de LoL no Mundial de 2017. 

No entanto, o vírus foi controlado na China nos últimos 4 meses, e o 2º split da LPL, campeonato nacional de LoL, teve jogos presenciais, ainda que sem torcida. Entre todos os países para sediar um evento da magnitude do Mundial, a China é um dos países mais seguros. 

Portanto, assim que a Riot Games anunciou que a China continuaria a sediar o Mundial, todo o cenário já tinha ciência de que o país chinês iria receber times do mundo todo, presencialmente. A decisão foi ousada, no entanto, desde o 2º split de todos os campeonatos que a Riot se prepara para proteger todos os envolvidos na China. 

Atualmente o país asiático é o campeão de LoL nas últimas edições, com a Invictus Gaming ganhando em 2018 e a FunPlus Phoenix, ano passado. 

Mas nem tudo são rosas. Ainda que o coronavírus esteja mais controlado na China, os dois times vietnamitas acharam perigoso demais e respeitaram as restrições de seu próprio país, e não participação do Mundial. A própria Riot Games anunciou sobre os 2 times e mudou o formato dos play-ins, que agora terão apenas 2 grupos. 

Medidas na LPL

Antes mesmo de chegar o Mundial, desde maio a LPL vem seguido protocolos de saúde para proteger os times, jogadores e os torcedores na China. O 1º split, quando a pandemia estava em seu pico no país, aconteceu de forma online. Já no 2º split, os times jogaram no estúdio da Riot Games. 

No entanto sem nenhuma torcida, com os juízes e equipe técnica com máscaras, além do uso de álcool e gel e toda descontaminação do ambiente após um dia de jogos. Os jogadores também não podiam se cumprimentar após o fim das partidas. 

Todos os protocolos para testes e exames de temperatura foram seguidos para observar se os jogadores estavam bem e em condições de jogar presencialmente. 

Com todas as medidas para evitar aglomeração, o campeonato ocorreu sem muitos problemas, e a final também teve os times e equipes técnicas, assim como narradores e comentaristas, trabalhando presencialmente. A campeã do último split foi a Top Esports (TES), uma das favoritas a ganhar o título. 

Medidas no CBLOL

No Brasil a situação da Covid-19 é bem mais preocupante. Por isso todo o 2º split foi realizado de forma online. Apenas a final foi presencial, mas também sem a torcida, patrocinadores e com staff reduzida para que os protocolos fossem seguidos rigidamente. 

Mesmo o formato da final foi diferente para garantir a segurança de todos os envolvidos. A final ocorreu no dia 3 de setembro, no terraço de um grande arranha-céu da cidade de São Paulo, ou seja, um ambiente aberto. 

Cada um dos times tiveram cabines próprias, e os jogadores e membros da produção foram obrigados a usar máscaras, assim como a equipe de juízes e os profissionais de segurança e saúde (médicos e brigadistas, por exemplo). 

Além disso, ema consultoria médica, especializada na sanitização de ambientes e implantação de normas preventivas ao COVID-19, foi contratada para adequar os processos operacionais para a realização do evento. 

Já para se adiantar em todos os protocolos também exigidos pela Riot mundialmente, o CBLOL testou todos os envolvidos na produção e transmissão com exames sorológicos (IgM/IgG). As temperaturas também foram medidas, assim como todos os jogadores passaram por observação de sintomas pelos especialistas da saúde. 

Para evitar qualquer problema, a Riot no Brasil ainda adicionou testes com exames RT-PCR (ou swab, coleta de secreção naso-orofaringe através de cotonetes) após as partidas. Essas medidas já foram pensando na prevenção do time que ganhasse o título. 

Assim, com a INTZ campeã, os jogadores foram para a China totalmente testados e seguindo os cuidados de aproximação, proteção e uso de álcool e gel. 

Medidas no Mundial

É comum que todo Mundial de League of Legends aconteça em cidades diferentes, assim como uma Copa do Mundo. No entanto, esse ano, pela situação atípica por conta do Coronavírus, toda a realização do Mundial será concentrada em Xangai, cidade sede do evento. 

Essa decisão foi tomada pela Riot Games para evitar o deslocamento dos times para locais diferentes e aumentar o controle dos profissionais que também estarão nos bastidores, como juízes, bombeiros, médicos e socorristas, além dos narradores e comentaristas.

Além disso, todos os protocolos usados na LPL e no CBLOL serão usados de exemplo para manter os times protegidos do vírus. Ainda não é oficial se teremos aglomeração de torcida, mas existe a chance da final ter alguma presença de torcedores, seguindo as distâncias recomendadas. 

Segundo as estatísticas, a China teve um total de 85.269 casos de Covid-19, observados até o dia desta matéria. Já o número de mortes é bem mais baixo, apenas 4.634, bem diferente do Brasil, EUA e mesmo Europa, que são regiões com números bem mais perigosos. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias