Educação Física e esports: conversa com Felipe Moreira, Personal Trainer da Liquid

Após o bate-papo com Vitor Kenji, fisioterapeuta da Team Liquid, continuamos nos aventurando nos bastidores da organização. Dessa vez, conversamos com Felipe Moreira (direita da foto), personal trainer da equipe e mais um dos responsáveis pelo bem-estar do time.

Felipe para quem ainda não conhece o seu trabalho, conte-nos um pouco sobre você e sua conexão com os esports.

Eu me formei em Educação Física em 1999 e já comecei a trabalhar com treinamento. Na época, também me formei em capoeira e comecei a oferecer métodos de treinamento para os amigos que praticavam capoeira, de uma forma onde pudesse potencializar os resultados.

Com o tempo, fui enfatizando o trabalho de personal e entendendo melhor as necessidades de cada um. Me especializei em treinamento funcional, onde realmente me achei e vi aí a possibilidade de dar treinos mais estimulantes e objetivos para cada pessoa.

A minha história nos esports começou quando observei o trabalho do Fisioterapeuta Vitor Kenji, que, como foi meu aluno na academia, tinha bastante contato com ele e conversávamos bastante sobre a inclusão dos treinos para os atletas. Percebemos que a junção das duas atividades traria ao jogador uma qualidade de vida e rendimento melhores, ao deixar o corpo mais ativo e sem dores. Assim, ele me apresentou a Team Liquid e eles toparam o trabalho. E em pouco tempo, percebemos uma evolução naqueles que treinam.

Como você encarou trabalhar nos bastidores de um time de esporte eletrônico e quais são os principais desafios da área?

Encarei de forma muito natural. Sabia que ali eu ia encontrar pessoas que, como em qualquer atividade, trabalham sentados, muito tempo na frente do computador e precisam estimular o corpo por completo.

Os desafios, nesse caso, são primeiro fazer entender a importância de treinar e quanto isso vai ajudar lá na frente. Segundo, fazer entender que um corpo treinado fará com que a qualidade de vida melhore. O cérebro estará mais ativo, o que poderá render mais resultados em um jogo onde a ativação cerebral está em alta a todo momento. Portanto, acredito que um corpo treinado sofre menos e assim, mantém as suas ações em alta por mais tempo, principalmente o nível de atenção e concentra.

O desafio é fazer entender que um corpo treinado fará com que a qualidade de vida melhore. O cérebro estará mais ativo, o que poderá render mais resultados em um jogo onde a ativação cerebral está em alta a todo momento.

De que forma você organiza a rotina de treino dos atletas?

A organização dos treinos foi iniciada em uma conversa junto com o fisioterapeuta da equipe. Ele me passou as principais queixas e através delas comecei a montar os treinos. Com o tempo, percebi que a estratégia de treinos seria primeiramente sair da posição sentado e colocá-los em exercícios em pé, em deslocamentos, em posições de prancha, onde pudesse acionar musculaturas pouco ativadas na posição. Assim, procuramos fortalecer o corpo por completo, para ter equilíbrio muscular e com o tempo melhorar força, resistência e condicionamento. Hoje, eles fazem agachamentos, flexões, exercícios de puxar, ou seja, tudo o que o corpo precisa.

Qual é a principal necessidade dos jogadores em relação a parte física?

Hoje, posso dizer que quem treina não sente mais dores nas costas, que é a principal queixa. Uma coisa que percebi no começo de tudo foi a falta de força geral do corpo, então fiz um planejamento para isso. E também a falta de mobilidade, mas isso já está ficando para trás, pois realizam exercícios preparatórios para ter mais mobilidade, que ajuda também na realização dos exercícios.

Atualmente, os treinos são normais, como daria para qualquer pessoa, mas lógico evitamos exercícios onde pode-se colocar em risco antebraço e mãos principalmente. Quando tem jogo ou é dia de treino, sempre é planejado um treino mais aeróbico e com ênfase em membros inferiores com cargas mais leves.

A rotina de treinos de um jogador profissional possui uma carga horária elevada. Como contornar isso de forma que a parte física não seja afetada?

É muito importante esta mediação com dia de treinos. Por isso, sempre antes de tudo, temos uma conversa de como foi o dia anterior e como será os próximos dias. Hoje, eles procuram ter um bom descanso e uma boa alimentação. Isso influi diretamente na recuperação não só do treino físico como nos treinos táticos do dia a dia.

Eu fico bem tranquilo em relação a isso, pois tenho ciência da rotina deles e também tenho o feedback dos atletas. Assim, nunca passamos dos limites.

Fora os atletas do seu dia a dia, existe uma demanda de jogadores amadores para treinos específicos?

Ainda não vejo uma grande demanda disso. Para falar a verdade, ainda acho que falta mais informações sobre a necessidade dos exercícios físicos. Hoje, o acesso a academias está fácil e sempre apoio quem me procura a fazer uma atividade física. Porém, com orientação e não copiando treinos, principalmente, pois cada um tem sua individualidade biológica e seus objetivos, assim como suas restrições.

De que forma a condição física ajuda no desempenho e no risco de lesões?

Um corpo treinado por completo, com um bom planejamento de divisões de treino, pode dar mais qualidade no geral. O músculo fica mais forte, o condicionamento melhora, a postura melhora e tudo isso vai ajudar a diminuir as lesões . Um corpo equilibrado é um corpo que sempre vai trabalhar melhor, principalmente diminuindo as chances de ter lesão por esforço repetitivo, que é caso de atletas de esports.

Por isso, sempre digo que trabalhe o corpo por completo, para não ficar nunca faltando nada. Sem contar que temos doenças geradas por quem não pratica atividade física, oriundas do sedentarismo, como diabetes, pressão alta, obesidade, etc.

A estrutura para treinamentos é fornecida pela própria Liquid ou os treinos são feitos em uma academia a parte?

Quando o Vitor me apresentou a Team Liquid, toda negociação foi feita com a staff deles. Quando expliquei meu trabalho e expliquei tudo que seria feito, decidimos fazer na própria GH, onde eu levo todo o material necessário para os treinos.  Como eles fazem muitos exercícios naturais do corpo humano, deu super certo fazer lá mesmo e hoje já temos uma estrutura bacana, com materiais necessários para o desenvolvimento dos treinos.

Com todo esse trabalho feito nos bastidores, quais as principais diferenças da Team Liquid para as demais organizações?

O que eu vejo na Team Liquid, e acredito que eu não posso julgar as outras equipes sem conhecer o trabalho a fundo, é que sua staff é altamente profissional. Tudo o que oferecem não é somente para ter melhores resultados, mas se preocupam com o lado humano do jogador. Eles têm todo o apoio que precisam não só na parte técnica como na parte humana.

Eu sinceramente fiquei muito feliz em ver que eles têm uma preocupação em tratar seus atletas como um todo, oferecendo muita qualidade de vida para eles. Aproveito para dar os parabéns ao Rafael (manager) e à Camila, sua esposa, por pensarem e tratarem com muito carinho e preocupação com seus atletas. Tudo isso faz eles serem uma família, onde um se preocupa com o bem estar do outro. É uma galera incrível e estão todos de parabéns!

Na Team Liquid, eles se preocupam com o lado humano jogador e não somente em ter melhores resultados. Fiquei muito feliz em ver que eles têm uma preocupação em tratar seus atletas como um todo, oferecendo muita qualidade de vida para eles.

Recentemente, entrevistamos o Vitor Kenji (fisioterapeuta da Team Liquid) e abordamos sobre as principais lesões a quais os atletas podem ter. Na sua visão, quais são os principais problemas que um jogador pode desenvolver sem um apoio de uma equipe especializada?

Com certeza os problemas de coluna e pescoço. É onde estão os maiores problemas decorrentes de tanto tempo sentado. Com o fortalecimento específico e o trabalho do fisioterapia, isso com o tempo vai melhorando e muito. Mas, o que eu mais senti chegando lá na Liquid, foi a falta de força e resistência muscular. Entretanto, com o tempo em que estou lá, isso também já está sendo resolvido.

Além da parte física, tem ainda o psicólogo que faz um trabalho incrível com eles. Mas, o que me preocupa mais fora as principais lesões, e que o Vitor citou muito bem em sua entrevista, são os problemas de sedentarismo. Isso pode trazer problemas para a vida toda.

Afirmo que o jogador terá uma vida mais longa no meio competitivo quando tiver uma equipe que trabalha o atleta no corpo e na mente, com preparador físico, fisioterapeuta, psicólogo e um nutricionista. E isso a Liquid está fazendo muito bem.

Afirmo que o jogador terá uma vida mais longa no meio competitivo quando tiver uma equipe que trabalha o atleta no corpo e na mente.

Gostaria de deixar alguma palavra a mais?

Queria agradecer ao Vitor Kenji por ter me indicado à Team Liquid, à Camila por ter aceitado a ideia e dar total apoio junto com o Rafael, e agradecer muito aos jogadores, que além de pessoas incríveis, apoiaram a ideia. Eles são muito dedicados em tudo o que fazem e entenderam a importância dos treinos. Tenho muito orgulho de fazer, de alguma forma, algo por eles e para eles!  É uma equipe que pensa grande, como atletas e seres humanos. Obrigado Team Liquid!

Quer conhecer mais sobre o trabalho de Felipe Moreira? Siga-o no instagram @felipemoreira_personal e acompanhe seu trabalho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias