LoL: Explicando o Universo Projeto de League of Legends

League of Legends é um jogo “free to play” o que significa que é um jogo gratuito para baixar e jogar. Mas, as skins não são artigos gratuitos e se tornaram verdadeiras histórias. É nessa ideia que o Universo Projeto foi criado. Ainda no início do game, a Riot Games criou um sistema de loja para vender artigos, como skins, baús com recompensas, avatares, sentinelas, entre outros tipos de produtos, através da compra de RPs (Riot Points). 

A empresa conseguiu entender essa mecânica, e para vender mais skins, ao invés de apenas fazer skins temáticas (que também existem), a Riot Games passou a criar muitos outros universos para nossa mente explodir no universo de League of Legends. 

Muitas skins de campeões vieram desses universos alternativos, que possuem lore própria. E é daí que vem a ideia de fazer o universo Projeto e Cibernético, que é uma história que trata principalmente de Zaun e Piltover, mas é uma realidade que já chegou a outros campeões, como Akali, Irelia, Yasuo e Master Yi, todos de Iônia.

Lembrando que mesmo possuindo histórias por trás, não são histórias canônicas da história original. Mesmo que as lores sejam relativamente parecidas com as originais, não possuem qualquer relação com Runeterra original. O Universo Projeto mesmo assim traz aspectos muito interessantes de campeões em outras situações, como veremos a seguir. 

Universo Projeto de League of Legends

O Universo Projeto é sobre a empresa Projeto, que passou a criar robôs e inteligências artificiais para comandar Zaun e Piltover. Numa ambientação bem distópica e cyberpunk, a empresa Projeto veio para mitigar as grandes rebeliões que ocorriam nas cidades, já que o mundo é  violento e bem decadente. 

Por ser um universo caótico, a Projeto sequestra pessoas para fazer experimentos de aprimoramentos em nome da “ordem” das cidades. E daí saiu personagens de tudo que é poder e habilidade, que são representados pelos campeões jogáveis de League of Legends. Além dos humanos aprimorados, a Projeto fez uma linha de robôs para conter manifestações e rebeliões da população. 

Para piorar essa situação caótica, com o tempo, os próprios aprimorados que foram sequestrados, conseguiram fugir e criar grupos de resistência para destruir a Projeto, que os enganou. 

G/netic, os ex-aprimorados da Projeto

O maior grupo rebelde de aprimorados contra a projeto é a G/netic, comandada primeiramente pela Ashe, que conseguiu reunir bons campeões para acabar com a tirania da empresa. São eles: Fiora, Leona, Yasuo, Lucian, Master Yi, Ekko e outros que podem aumentar essa formação.

Entre todos, Master Yi possui até um vídeo de explicação sobre sua skin. Ele foi sequestrado de Iônia após a guerra com Noxus, e foi submetido a uma série de torturas para se tornar um aprimorado. Ao surtar por lembrar um pouco do passado mas não lembrar direito o que era, ele destruiu o laboratório e foi resgatado pela Fiora. 

Para impedir a fuga, eles lutaram com Zed, um dos aprimorados mais fortes da Projeto. Lucian aparece ainda para ajudar na batalha contra o aprimorado das sombras, e apenas os 3 juntos impediram Zed e saíram com a vitória. 

Os Renegados

Já puderam ver que esse universo é um dos maiores de League of Legends, com muitas gerações de aprimorados. Essa riqueza de detalhes rendeu até mesmo um evento enorme na época que o Pyke foi anunciado

Assim, temos 3 principais grupos que faz a resistência à Projeto: G/netic, Renegados e Caçadores. Não são grupos unidos, já que escolhem caminhos diferentes para destruir a Projeto.

Os Renegados são aprimorados que foram descartados pela Projeto. Nesse grupo estão Pyke, Jinx, Akali e Irelia, que buscam vingança por terem sido descartados como lixo tecnológico ou expulsos por não concordarem com a Projeto. De forma resumida, a maioria dos campeões possuem referências de suas lores originais, como o próprio Master Yi, que é ioniano no universo Projeto, e foi sequestrado após a guerra entre Noxus e Iônia. 

O Pyke teve que reconstruir seu próprio código e sistema do lixão do deserto fora de Piltover, e pela revolta de ter sido descartado, e também na tentativa de entender a si mesmo, se juntou com os outros aprimorados. Pyke é um robô completo, já Akali e Irelia aparentam ser aprimoradas. Jinx pode ser tanto um quanto outro. 

Jinx era uma aprimorada comum na Projeto, até que alguma pane em seu sistema desconfigurou suas intenções, tornando-a uma verdadeira psicopata. Ela não acredita mais na Projeto e fugiu, ouvindo apenas uma voz que ressoa em sua mente e parece controlá-la. Nesse ponto, já não se sabe mais se a Jinx tem qualquer humanidade.

E aí mais uma vez temos uma relação da lore original de League of Legends com uma não-canônica. Em Projeto, a Jinx continua doidinha, totalmente caótica e sem escrúpulos.

Os Caçadores

Diferente de todos os outros grupos da resistência, os caçadores são campeões andarilhos, que agem de acordo com sua própria moral e ética, podendo ser um problema real para a Projeto, ou de alguma forma ajudá-los indiretamente. Nesse grupo temos Vi, Vayne e Jhin. 

Aqui a Riot Games chegou a fazer um conto (Sobre ratos e gatos e ratinhos de neon)  para mostrar um pouco do ponto de vista de cada um deles. Jhin é um mercenário de aprimoramentos, procurando as melhores peças, chips e softwares para seu próprio corpo. Assim, ele é um verdadeiro serial killer que ninguém até hoje conseguiu vencer. Para piorar, a cada vez que adiciona um aprimoramento no seu código, mais perde sua própria personalidade. 

Vi é quem está atrás de Jhin, na sua função de detetive na polícia da cidade, que também é comandada pela Projeto. No entanto a campeã trabalha por si mesma, evitando contágios de códigos e outras porcarias que as inteligências artificiais são capazes. Ela investiga uma série de casos que indicam que o assassino é Jhin.

Por fim, a Vayne é uma ex detetive de contra informação da Projeto, bem nos moldes da Leblanc Cibernética, mas ainda com sua humanidade. Assim, ao se desligar da empresa, a Vayne passou a trabalhar sozinha e utilizar seus aprimoramentos técnicos secretos para acabar com assassinos, como o próprio Jhin.

Relação da Vi com a Vayne

No conto, as duas acabam se ajudando para um mesmo objetivo. Vi precisa salvar seu parceiro da polícia, que fez um acordo bem ruim com o próprio Jhin, que o sequestrou e o levou para um depósito para matá-lo se não desse o aprimoramento que ele queria. Vayne ofereceu um modo rápido de chegar ao local de destino, em troca de um aprimoramento que a Vi recebeu da Projeto, mas não instalou em sua manopla. 

Vayne do Universo Projeto
Splash art da Vayne Projeto. Créditos: Riot Games

Então os 3 acabam se encontrando, prontos para lutar. O final do combate é bastante emocionante e Jhin é destruído, mas não morto. Durante a luta ficamos sabendo mais do passado de Vayne, que teve seu batalhão totalmente destruído, e Jhin sabe dessa história (talvez ele tenha alguma culpa nisso). Procurando vingança, Vayne saiu da Projeto após ser reconstruída depois da matança, jurando eliminar Jhin de uma vez por todas. 

A raiva de Vayne contra Jhin é incrível e é o que mantém a chama dela acesa. As tentativas de destruir o assassino falharam, mas o deixaram bastante debilitado por um tempo. Apesar de uma meia vitória, Vayne ficou bastante angustiada com o resultado, dizendo para Vi, que a salvou dos escombros do depósito, que o aprimoramento de presente não era o bastante para pagar a dívida de deixar Jhin vivo. 

Vi do Universo Projeto
A Vi ainda é esquentada e que adora uma luta, mas no universo Projeto ela é mais contida. Créditos: Riot Games

Os que ainda estão na Projeto

Já os aprimorados que ainda trabalham com a Projeto são Zed e Katarina. Katarina já se rebelou uma vez contra a Projeto e se juntou à G/netic, mas por desentendimentos com a Ashe, resolveu fazer um acordo com a Projeto e voltar à empresa se a deixassem incubida de destruir o grupo da resistência. O Warrick também era um aprimorado que deveria servir à Projeto e conter os grupos rebeldes de aprimorados. Mas esse experimento não deu nada certo. 

Warrick do Universo Projeto
Warrick Projeto tem a mesma ideia caótica de sua lore original, porém bem mais sangrenta e violenta.

Ao fugir do laboratório e ser derrotado pelos Renegados, Warrick se contentou a andar sozinho pela cidade de Zaun e Piltover e matar indiscriminadamente. Como estava tudo saindo do controle para a Projeto e para o próprio mundo, que não tinha mais humanos para trabalhos básicos, a empresa teve a incrível ideia de criar as skins Cibernéticas. Nesse grupo então estão: Camille, Blitzcrank, Soraka, Leblanc, Lissandra e Nami. 

Portanto, todas as skins Projeto e Cibernética fazem parte do mesmo universo. 

As skins Cibernéticas do Universo Projeto

Ao contrário dos aprimorados, as Cibernéticas são auxiliares poderosíssimos contra os rebeldes, principalmente quando falamos da G/netic, que tem mais união e clareza no objetivo. Assim, a Camille é a grande lutadora contra os aprimorados, teoricamente mais poderosa que o próprio Zed e recebe missões pela Lissandra, que é a grande Inteligência Artificial que comanda todo o sistema da Projeto. 

A própria Lissandra parece também ser uma rebelde infiltrada, pois sua inteligência transcendeu e passou de apenas um  programa que dá missões para um programa que sabe tudo que acontece na Projeto e os aprimorados que já passaram ali. Por isso existe a possibilidade dela controlar a mente da Jinx, passando instruções e concordando com as ações dos Renegados. 

Splash art da Lissandra Cibernética da Projeto
Fica aí o easter egg da Lissandra vendo os dados da Soraka e dando um bug na Matrix toda. Créditos: Riot Games

 

Ainda é difícil saber o que Lissandra quer, mas como na lore original, ela pode querer controlar tudo e ser a verdadeira dona da Projeto após sua destruição, pois é ambiciosa.

Já a Soraka tem um papel bem específico, que é o de ajudar a população restante nesse ambiente caótico de guerra dos robôs. Apesar de também ter sido invadida por outro código, Soraka ainda ajuda a população, mas de um jeito meio torto…também provavelmente sendo controlada pela Lissandra. 

A Leblanc tem um papel de ser espiã da Projeto, buscando informações sobre as empresas concorrentes de aprimorados e dos próprios grupos de resistência, encarnando outras personalidades e avatares. Já a Nami também tem o papel de ser uma chefe de resgate em ambientes aquáticos, mas toma decisões bastante questionáveis, tudo conforme o comando do setor cibernético da Projeto. 

Blitz é uma série de robôs usados para tarefas domésticas, ajudando os seres humanos no dia a dia. Apesar disso, uma atualização no seu software o deixou aberto a novos comandos da Projeto. 

Futuro do Universo Projeto

As skins Projeto e Cibernética podem ainda surgir no ano de 2020, e campeões tem grandes chances de aparecer nesse universo alternativo de League of Legends. No conto da Vi, ela cita sua capitã da polícia, o que dá a entender que uma Caitlyn Projeto não é descartável. 

Os personagens de Zaun e Piltover também têm grandes chances de surgir, como o Singed, Vicktor, Orianna etc. A Projeto ainda precisa ter uma grande arma para conter tantos problemas. Mas, por enquanto, o que temos do universo é isto. Esperem outros textos sobre os outros universos, como as da KDA, Guardiões Estelares e Odisseia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img