CS:GO: CEO da LG revela ter sofrido ameaças por conta do “Last Dance”

O fanatismo brasileiro com o elenco bicampeão do Major parece ter passado dos limites. Isso porque Steve Maida, CEO da Luminosity Gaming, revelou por Twitter ter recebido ameaças de fãs por causa da tentativa que está fazendo de reunir a equipe que representava a tag em 2016, apelidada de “Last Dance”, em alusão ao documentário de Michael Jordan.

“Last Dance vai levar meses pessoal, isso se acontecer. Estou conversando com todos, conforme prometido, mas não posso garantir nada. Não posso atualizá-los por questões contratuais e por informações que as pessoas querem mantidas em sigilo. Eu entendo a paixão, mas mandar mensagens me ameaçando é desencorajador. Essas pessoas serão bloqueadas”, comentou Maida.

Em seguida, ele agradeceu o apoio da comunidade brasileira e disse não se importar com os seguidores, pois o projeto é algo em que realmente acredita. “Sou grato por aqueles que me apoiaram antes e depois do Last Dance. Obrigado. Nunca pedi nada à comunidade brasileira. Sempre fiz o meu melhor pela equipe e pelos jogadores. Não me importo com os seguidores como você pensa. Se eu tiver 0 seguidores, ainda tentarei, porque é um projeto em que acredito.”

+CS:GO: Inelegível, MIBR terá sua vaga ocupada pela Chaos na IEM New York
+CS:GO: Guerri afirma que FURIA irá implementar um sexto jogador

Como tudo começou

A história começou quando Steve Maida postou um tweet em setembro afirmando que se chegasse a 20 mil seguidores, ele tentaria entrar em contato com Gabriel “FalleN” Toledo e companhia para reviver um time idêntico ao multicampeão de 2016 pela LG.

O que parecia ser apenas uma jogada de marketing mexeu profundamente com alguns fãs mais eufóricos, que passaram a cobrar Maida publicamente atualizações sobre o “Last Dance”. Após ser questionado durante uma stream, o CEO revelou que “dinheiro não seria o problema”, mas que o principal obstáculo seria a vontade dos brasileiros de jogarem juntos.

“Acho que o mais difícil de tudo é: será que os jogadores querem jogar juntos? Esse é o principal [problema]. Dinheiro não é o problema”, afirmou o CEO.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias