Os brasileiros da Sharks Esports jogaram hoje (04) contra a Renegades, ex-Grayhound, pela ESL Pro League Season 10 Finals, em partida que valia a permanência na competição. O elenco brasileiro/argentino havia perdido para a G2 Esports em sua estreia e precisava da vitória na competição.

Além da Sharks, a equipe brasileira da MIBR também está participando do torneio que acontece em Odense, na Dinamarca, e joga ainda hoje contra a Fnatic, às 15:10h.

Leia também:

Dust 2: 16×7 Sharks

Começando de CT, no mapa de escolha da Renegades, a Sharks conseguiu negar quase todas as tentativas de entrada da adversária, que sofreu para encaixar suas estratégias de TR na primeira metade. Sem muitas brechas, o elenco brasileiro conquistou a parcial pela larga vantagem de 11-4.

De TR, a Sharks não viu dificuldades em continuar seu domínio de mapa, já que os australianos não conseguiam segurar os avanços dos Tubarões. Assim, o time de jnt fechou o confronto inicial pelo placar de 16-7, ficando a apenas um mapa de eliminar a Renegades das finais da Pro League.

Mirage: 16×5 Renegades

Já no segundo mapa do confronto, o começo foi complicado para os brasileiros, que viram a Renegades conquistar também 11-4 na primeira metade, jogando no lado TR.

Na troca de lados, a Sharks conseguiu vencer o pistol round e diminuiu a vantagem dos australianos para 11-5. Entretanto, um forçado rapidamente trouxe a Renegades de volta ao jogo e dificultou ainda mais uma tentativa de reação dos brasileiros no confronto, já que a Sharks não conseguia fazer o domínio completo das posições do mapa.

Mantendo o ritmo forte, a equipe de Dickstacy fechou com facilidade o segundo mapa pelo placar de 16-5, empatando a série em 1 mapa a 1 e jogando a decisão para a Nuke.

Nuke: 16×12 Renegades

Iniciando de TR no último mapa da série, os Tubarões chegaram a ficar atrás no placar em 7-0. O primeiro ponto da equipe veio em uma entrada no bombsite A, com eliminações importantes de Luken e meyern.


Entretanto, a Sharks seguiu com muitos erros na partida e não conseguiu evitar a derrota parcial por, novamente, 11-4.


Precisando fazer um lado CT muito sólido para buscar a vitória, a equipe brasileira começou a segunda metade da partida vencendo o pistol e os dois rounds seguintes, para diminuir a vantagem australiana para 11-7.

Em seguida, a Renegades fez um round com pistolas e partiu para cima da Sharks, chegando a plantar a C4 no bombsite A, mas a ação rápida de Luken e meyern garantiu mais um ponto para os Tubarões, deixando-os próximos de um possível empate em 8-11.

No entanto, a Renegades conseguiu aliviar a pressão brasileira e após algumas trocas de round, fechou a partida em 16-12, eliminando assim a Sharks das finais da Pro League.

Foto de capa: HLTV.org

Deixe seu comentário