Universidade do Texas cria anti-cheat inteligente para o CS:GO

Cientistas da computação da Universidade do Texas, em Dallas, nos Estado Unidos, criaram um sistema anti-cheat capaz de detectar trapaceiros em Counter-Strike: Global Offensive. Apesar de ter sido feito para o FPS da Valve, os cientistas afirmam que ele também funciona para qualquer outro jogo multiplayer.

+ CS:GO: MIBR domina forZe e se classifica aos playoffs da Flashpoint
+ CS:GO: Team oNe se classifica para a ESL Pro League Season 13

O anti-cheat funciona coletando os dados de tráfego que os jogadores enviam, e os manda para um servidor central. Lá, esses dados são analisados por um programa de inteligência artificial, que procura por anomalias que podem significar o uso de trapaças.

“Jogadores que usam cheats mandam dados de tráfego de uma maneira diferente”, afirma o Dr. Latifur Khan, autor do estudo e professor de Ciência da Computação na Universidade do Texas. A pesquisa foi baseada nos jogos de 20 alunos da universidade, que baixaram Counter-Strike: Global Offensive junto com três cheats: aimbot, speedhack e wallhack.

Enquanto estudavam os pacotes de dados enviados pelos alunos, os pesquisadores descobriram padrões nas informações enviadas por aqueles que estavam utilizando trapaças. Em seguida, essas informações foram inseridas no programa de inteligência artificial, que consegue detectar os trapaceiros através desses padrões de dados anômalos.

É importante ressaltar que a própria Valve possui um sistema parecido, conhecido como VACNet. Entretanto, a inteligência artificial da desenvolvedora coleta os dados de casos analisados no Overwatch.

25 COMENTÁRIOS

  1. Primeiramente temos que deixar claro uma coisa, o VAC nunca vai ser tão bom e eficaz como os AC’s de terceiros, pq? é simples, o VAC não pode ser muito invasivo, então é muito fácil de ser burlado.
    Ok, mas e o VACNET? o VACNET já faz um papel que se assemelha bastante com esse “AC” da noticia, inclusive na época do seu lançamento o VACNET bania muita gente inclusive contas prime que antigamente conseguiam não tinham problemas pela forma que cheatavam pq não caiam no overwatch.
    Mas com o passar do tempo eles mudaram os metódos e pelo que da a entender não vai voltar a ser como era antes e muito menos ser melhor do que um dia já foi, atualmente existem 3 formas de tu ser banido, uma delas é banwave, só que a banwave atualmente ocorre através do seu trust factor que é algo totalmente burlavel, ou seja, já se tornam apenas 2 formas, uma das formas é ser detectado pelo VAC mas hoje em dia qualquer cheat (até mesmo free) consegue ser indetectável então não é algo que os cheaters tem que se preocupar e por ultimo temos o overwatch, ele é um pouquinho mais complexo.

    O Overwatch se baseia em 2 fatores, o primeiro é o seu trust factor e o segundo é o VACNET, se seu trust factor for red (o pior que tem) e tu continuar recebendo denuncias, uma demo aleatoria sua vai ir pro overwatch e se tu tiver cheatando você pode ser banido.
    O segundo é através do VACNET, basicamente o VACNET hoje em dia só detecta fov extremamente alto, por exemplo, se você configurar seu aimbot pra ser forte o suficiente pra tu dar um tiro na frente e ele matar o cara que está atrás, você vai ser pego pelo VACNET, outra coisa que o VACNET detecta é kills cego, kills na smoke e kills varados, se você fizer muitos kills assim tu também é mandado pro overwatch, parece bom? na teoria até que sim, mas no final tanto o VAC quanto o OW é extremamente burlavel, como eu já citei tudo oq não pode fazer, já ficou claro oq os cheaters tem que fazer né? basicamente é só não usar um aimbot com um fov gigante e não sair varando/matando cego e pronto.

    Infelizmente essa é a realidade de hoje em dia, me dói muito ter que digitar isso mas o MM atualmente é uma piada e não vale a pena dedicar tempo nele, o melhor a fazer é partir pra FACEIT, lá tem o melhor anti cheat e todos esses problemas que eu citei não acontece por lá.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias