Free Fire: Coringa explica saída do competitivo: “Por causa da saúde mental”

spot_imgspot_img

Presente na equipe da LOUD desde os primórdios do Free Fire, Victor “Coringa” Augusto revelou durante uma entrevista ao PodPah, realizada nesta terça-feira (5), quais foram os motivos que o fizeram abandonar o competitivo do battle royale logo depois de estourar na cena profissional.

+ Free Fire: Nobru e LOUD vencem Prêmio Jovem Brasileiro 2021
+ Free Fire: Instabilidade no Facebook impede jogadores de fazerem login

De acordo com o influenciador, o excesso de pressão que sofria enquanto era jogador foi uma das principais causas. Além de todo o estresse que passava para conseguir ter um bom desempenho, ele também revelou a rotina puxada da organização, onde tinha que se dedicar ao jogo e à própria imagem.

“Aposentei rápido do competitivo por causa da saúde mental. Você tem uma rotina onde ou você só treina para jogar ou faz tudo igual a gente: acordar, gravar, fazer live, fazer os treinos, onde você tinha que ficar quatro a cinco horas treinando, e no final de semana ainda tinha os campeonatos”, disse o influenciador durante o programa.

Além disso, Coringa se lembra bem das circunstâncias que o fizeram deixar o cenário competitivo. Tudo começou com a pressão da torcida durante a segunda temporada da Free Fire Pro League, na qual a LOUD terminou em 8º lugar.

“A gente estava com muita pressão. Estavam falando se a gente era bom mesmo ou se era só mídia. Aí chegou o dia do campeonato e a gente se classificou [para a final], faltando muito pouco. Fomos para a final presencial e deu tudo errado. Era outro celular, e não treinamos com ele. Você tinha uma hora e meia antes do jogo começar para se acostumar com a HUD. Aí na primeira partida, conseguimos segurar o máximo para não perder, mas não estávamos conseguindo desembolar”, contou.

A má atuação gerou uma avalanche de críticas à equipe, e foi fator determinante para que Coringa já não sentisse mais vontade de jogar e que começasse a pensar em uma aposentadoria.

“Todo mundo que estava na arena bateu palmas e parabenizou a gente, mas na hora que a gente entrou no carro e pegou o celular, a galera da internet estava detonando, criticando, dizendo que a gente tem estrutura, tem tudo e não consegue ganhar um campeonato. Hoje em dia todo mundo sabe lidar com isso, mas na época a gente nunca tinha visto tanta gente comentar. Foi uma bosta, a galera começou a falar ‘Pô, você não fez nada, ficou de pé pra cima nessa mansão desse tamanho. Tá vendo porque você não merecia estar aí’. Eu não consegui [lidar com tudo isso]”.

Em seguida, Coringa disse que conversou com os sócios da LOUD, Bruno “PlayHard” Oliveira e Jean Ortega sobre seu futuro e as dúvidas que tinha sobre se daria certo ou não como criador de conteúdo.

“Eu não sabia se queria continuar jogando, e o PH e o Jean trocaram a maior ideia e falaram: ‘A partir do momento que você não tem certeza se é isso mesmo que você quer, então é porque não é [para ser]’. Falaram para eu ser influenciador e correr atrás do meu que daria certo […] Fiquei morrendo de medo de dar super errado quando eu anunciasse que não ia jogar mais. Só que quando eu parei, deu super certo as lives”, disse.

Coringa hoje é um dos maiores streamers do mundo e possui um canal na Twitch com mais de 2,5 milhões de seguidores, além de quase 10 milhões de seguidores no Instagram.

Você conhece a Cyber.bet?

A Cyber.bet é um dos maiores sites para apostas em esports do mundo e fechou uma parceria com o The Clutch para trazer aos nossos leitores uma super promoção. Qualquer depósito até R$ 600 receberá um bônus de 100%. Mais dinheiro, maiores os ganhos!

Gostou? Então clique aqui e receba seu bônus agora!

spot_imgspot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img