Deposite $10 e ganhe mais $10

O Rei Destruído está em League of Legends desde a criação das Ilhas das Sombras, e teve algumas modificações para se adequar à nova Runeterra que a Riot Games criou nos últimos anos. No entanto, ele é não um personagem jogável, temos a presença de apenas um item (Espada do Rei Destruído).  Mesmo assim ele influenciou uma série de outros itens advindos das Ilhas das Sombras.

E não para por aí. Foi o Rei Destruído que tornou a antiga Ilhas das Bênçãos nas Ilhas das Sombras, dando vida (e morte) para uma série de campeões de League of Legends que jogamos hoje em dia. Portanto, o personagem tem uma grande contribuição tanto in-game quanto para a lore de Runeterra. Por isso esse texto aqui tem o objetivo de mostrar todas as influências que o Rei Destruído tem dentro e fora do jogo. 

Normalmente as lores de League of Legends são colocadas em segundo plano. No entanto, em geral, as lores dos campeões e de personagens não-jogáveis possuem alguma influência no jogo em si, como na criação de habilidades, de passivas de campeões, modos de andar, falas entre os personagens durante o jogo, entre outros detalhes. Por isso, não é como se as lores fossem apenas um detalhe qualquer sem significado.

O Rei Destruído ainda não tem um rosto definido, infelizmente.

E o Rei Destruído talvez seja a entidade com mais influência in-game, mesmo só existindo em lores e contos de outros personagens, itens e locais.  

Quem foi o Rei Destruído

Ainda não sabemos em que época exatamente viveu o Rei Destruído, apenas que ele era um monarca de grande poder e influência em Runeterra na sua época, comandando grandes exércitos e controlando diversas terras. Há possíveis especulações sobre sua época em vida.

O que precisamos saber é que o Rei Destruído foi um homem poderoso e portador de magia (tudo leva a crer, pelo menos). Mordekaiser, um ser cruel e imperdoável também foi um imperador de grande influência em sua época, e é um dos seres históricos do que se tornou Noxus, mas aparentemente ele é mais novo que o Rei Destruído e não chegou a viver na mesma época quando estava vivo.  

Hoje, o Mordekaiser é um espectro que montou um Império no mundo dos mortos nas Ilhas das Sombras (ironia), então ele é imortal (ele já era, quando reincarnou pela primeira vez, mas Leblanc “estragou” todo seu plano). O Rei Destruído, porém, antes da chegada da lore da Senna, era dado como morto ou absorvido por sua espada. 

O momento presente do Rei Destruído

Diferente de antes, hoje temos a certeza que o Rei Destruído está vivo, e recluso em algum lugar de Runeterra ainda desconhecido (pode até ser em algum canto remoto das Ilhas das Sombras). Sabemos disso por conta do jogo anunciado pela Riot Games, em parceria com a desenvolvedora Syndicate. 

Além disso, Senna sabe que o Rei Destruído ainda está vivo, por ter ficado na lanterna de Thresh tempo o suficiente para saber dos espectros ali presos sobre a história do local. Ela é a única que sabe que as Ilhas das Bênçãos existiu e foi destruída pela maldição do Rei. O objetivo dela é encontrá-lo e acabar com a maldição. 

Toda sua habilidade, falas com Lucian e Thresh, são representadas por sua lore. Sua arma foi criada na lanterna de Thresh, por exemplo, com ajuda dos Sentinelas da Luz que estavam nas Ilhas das Bênçãos, morreram pela maldição e foram absorvidos pelo Thresh. 

Os Sentinelas são um grupo de protetores contra as entidades das sombras, como o Vazio, demônios e espectros. Aparentemente eles ficam espalhados por Runeterra, mas tiveram grande poder em Demacia, criando a Relicário, arma que atinge com mais eficácia essas entidades sombrias e usada por Lucian e Senna. 

Pra resumir, tudo está interligado: as ações e habilidades in-game com as lores. 

Evidências históricas sobre o Rei Destruído

Não sabemos a época em que ele viveu, mas temos alguma noção. Ele é um mago muito antigo. E sabemos disso por 2 principais motivos: 

  • As informações da Riot Games sobre as Ilhas das Bênçãos é de que ela já existiu, mas isso foi há mais de 1000 anos. 
  • Segundo as lores da Kalista e Hecarim, dois personagens que conviveram com o Rei, o reino deles já foi há muito tempo esquecido. 

Sobre as Ilhas das Bênçãos

As Ilhas das Bênçãos era imponente em sua época, porém, bastante reclusa (como o reino da Qyanna em Ixtal, por exemplo). Poucos sabiam os caminhos para chegar até lá, dado as neblinas e a dificuldade marítima do local. Por isso, a ilha chegou a se tornar uma lenda, com pessoas duvidando de sua existência. 

“Esta terra amaldiçoada já foi lar de uma civilização nobre e evoluída, sendo conhecida entre seus aliados como as Ilhas das Bênçãos. No entanto, mais de mil anos atrás, um cataclisma mágico sem precedentes estilhaçou a barreira entre os mundos material e espiritual, fundindo ambos… e aniquilando toda e qualquer forma de vida em um instante.” – Riot Games

Se antigamente já era complicado provar e reforçar a existência do local, hoje, as Ilhas das Bênçãos praticamente se perdeu na história e o que se tem é a verdade do Tormento, o dia em que a Névoa Negra se espalha por Runeterra, levada pelos ventos dos mares. A Névoa Negra é a neblina de espectros atormentados que hoje as Ilhas das Sombras possui. 

Destruição das Ilhas das Bênçãos
A maldição se alastrou em toda a ilha e destruiu totalmente as antigas construções, deixando apenas ruínas.

Sobre o Império do Rei Destruído

Levando em consideração que o reinado do Rei Destruído ocorreu na época das Guerras Rúnicas, é bem capaz que o Rei fazia uso da magia. Era uma época em que reinos mágicos se enfrentavam por ascensão e controle todo o tempo.

O caos dessa época possibilita a ideia de que muita coisa foi perdida, desde impérios, até parte da história. Levando em consideração que o Rei, tomado por paranoia, loucura e ódio, lançou uma maldição em todos seus súditos e em toda Ilhas das Bênçãos, é possível perceber que o principal de sua história foi perdida naquele dia.

As Guerras Rúnicas acabaram há 1000 anos, segundo o quadrinho da Lux, lançado pela Riot Games. Então, ela estava antiga há mais de 1000 anos também. Então podemos ter aí uma noção do quão antigo é o Rei Destruído. 

Os campeões que o Rei Destruído liderava

Ao contrário de muitos personagens não-jogáveis, as informações sobre o Rei Destruído são vastas, incluídas numas série de campeões. Entre eles Hecarim e Kalista. 

Hecarim

Seu reino era imponente e muito forte, com Hecarim na linha de frente do exército. Ele era caótico e cruel ainda em vida, deixando seu comandante morrer e se tornando o líder da Ordem de Ferro do Rei Destruído. Já temido em seu próprio reino, após a paranóia e loucura do Rei Destruído, Hecarim se tornou ainda mais visceral, com uma verdadeira sede de sangue.

A maldição de Hecarim
Sedento por guerras e sangue, Hecarim foi o destruidor primário das Ilhas das Bênçãos, e também foi pego pela Névoa Negra, que o transformou em um centauro espectral.

A lore dele já deixa a entender que, mesmo com a ascensão do reino do Rei, nem tudo era lá muito perfeito, o que condiz e muito com a época das Guerras Rúnicas (que também não sabemos o quanto durou). Era uma época caótica, instável e cheio de guerras entre exércitos. 

Kalista

Kalista era general e a protetora da família real, conhecida por ser impossível de ser derrotada, dado a velocidade com que ela atirava e utilizava suas lanças. (mais uma referência de como a Kalista joga, utilizando seu ataque de lança e desviando para onde o jogador clicar em seguida). Além disso, era sobrinha do Rei. 

Kalista das Ilhas das Sombras
Kalista virou um espectro da vingança, por ter sido tratada como traidora e ter sido morta por Hecarim pelas costas.

Na lore dela também explica que um dia o Rei Destruído foi um grande monarca, mais justo e mais racional. Mas quando sua mulher foi envenenada por um espião de um reino inimigo, tudo mudou. Kalista foi morta por Hecarim, que jogou uma lança em suas costas, quando ela negou atacar os moradores das Ilhas das Bênçãos. 

Os motivos do Rei Destruído de lançar a maldição

O Rei Destruído é um nome dado a ele por sua loucura após o envenenamento da sua mulher. O veneno, que não tinha cura nem nas mãos dos melhores médicos e magos curandeiros, enlouqueceu o Rei, que não admitia a morte da rainha de forma alguma. 

Se sentindo traído, já que quem envenenou a rainha foi um espião que ficou ali tempo o suficiente para conquistar a confiança e carinho da realeza, sua desconfiança se tornou generalizada. Temendo que mais alguém de dentro do reino o atacasse, permitiu que Hecarim tocasse o terror no seu próprio povo. 

Quando a rainha morreu, sua loucura transcendeu. Kalista chegou dias depois da morte de sua tia. Ela foi procurar uma cura, e encontrou as Ilhas das Bênçãos, que tinha as Águas da Vida, que trataria o veneno e a curaria, desde que ela estivesse viva. Kalista, sabendo que seria em vão levá-los até lá, tentou explicar ao Rei. Seu próprio tio então a acusou de traição e a prendeu nos calabouços do reino. 

Hecarim – o assassino fiel

Hecarim foi quem convenceu Kalista a levá-los às Ilhas das Bênçãos, sem mostrar sua verdadeira intenção: o sentimento de ódio de querer se vingar de todos que deixaram a rainha morrer (e pra ele era basicamente qualquer um de Runeterra). Kalista apenas tinha conhecido um Hecarim mais orgulhoso e bom de briga, não conhecia essa outra faceta do campeão. 

O ódio do Rei Destruído foi o catalisador para que a maldição desse certo. A sua última esperança era que os sacerdotes das Ilhas das Bênçãos salvasse a rainha, mesmo que tivesse que trazê-la de volta à vida. Quando eles negaram, dizendo que não era possível reviver a rainha, o Rei externou esse ódio e destruiu tudo até chegar nas Águas da Vida. 

O que ele não sabia era que os itens profanos que ficavam nos subsolos do palácio amplificaram a maldição, devastando toda a região e dando espaço à Névoa Negra. Não sabemos os detalhes de como foi que ocorreu quando a maldição foi lançada, apenas que quando as Águas da Vida receberam o corpo morto da rainha, a magia profana do local começou a ter um efeito diferente.

Ilhas das Benções: um local de proteção e sabedoria

As Ilhas das Bênçãos, pela sua distância das outras civilizações, pela neblina que dificultava sua localidade e navegação, era um local perfeito para proteger Runeterra da magia negra. Ainda não se sabe muito sobre a magia negra em Runeterra, já que ela é pouquíssima usada por campeões fora das Ilhas das Sombras. 

Temos então duas divisões de magia perigosa em Runeterra: 

  • A magia direta do Vazio, experimentada primeiro pelo mestre de Ryze, na guerra em Icathia. 
  • A magia advinda de runas mágicas, considerada negra. Runeterra significa literalmente terra mágica, então a magia é algo abundante em todas as áreas do planeta, naturalmente. Se ela é criada a partir de algo forçado, a coisa muda de figura. As runas globais, principalmente, são objetos advindos dos Observadores, que também controlam o Vazio. 

Magos também passaram a usar seus poderes de forma nada ética ou moral, principalmente nas Guerras Rúnicas. Após o caos de tantas guerras, acharam melhor que esses itens ficassem isolados e jamais fossem usados. 

Apesar de não sabermos muito sobre a magia negra, Zed é um dos portadores dela, usando a magia das sombras para abater seus adversários. Há também boatos de que o braço do Swain seja advindo da magia negra. 

Os itens profanos das Ilhas das Bênçãos

A magia negra era perigosa pois possibilitava a manifestação de desejos e sentimentos sombrios nos seres humanos, que perdiam a humanidade e cometiam uma série de atentados contra a vida. Temendo que itens criados a partir dessa magia prejudicassem toda uma cadeia de povos após as Guerras Rúnicas, eles foram enviados às Ilhas das Bênçãos para serem lacrados e protegidos. 

Alguns desses itens em questão são, ou acredita-se serem: 

  • Dançarina Fantasma
  • Colhedor de Essência
  • Morellonomicon
  • Capítulo Perdido
  • Sombras Gêmeas
  • Códex Demoníaco
  • Capuz do Espectro
  • Cintilação Etérea

Papel de Thresh

Thresh, ainda como humano, era o guardião desses itens profanos. Ainda que, conhecido pelo seu jeito calado, metódico e problemático, Thresh não tinha deixado tão à mostra suas tendências cruéis. Em sua lore fica subentendido que Thresh foi um homicida em vida, mas que não deixava provas de seus crimes. Ele já tinha uma tendência sombria que os mestres das Ilhas das Bênçãos não conhecia. 

E, com o passar dos anos protegendo aquela coleção nos cofres secretos, ele foi corrompido de vez. Ele que contou para o Rei Destruído onde ficava as Águas da Vida, e que poderiam ajudá-lo na sua empreitada de reviver a rainha. Já esperando pela carnificina e pelo trágico fim daquele rei desesperado, Thresh ria de felicidade quando a maldição foi colocada em prática. Bem, no fim, Thresh é o espectro que conhecemos hoje. 

Cofres celestiais que guardavam os itens profanos
Pouco se ia no subsolo do reino para se certificar de como estava Thresh e os itens profanos.

Já sobre o Rei, que com todo seu ódio e loucura acabou tornando as Ilhas das Bênçãos na terrível Ilhas das Sombras, não se sabe o paradeiro. Não sabemos se ele foi tomado também pela Névoa Negra, se ele foi o único a se safar e ficar recluso em outro canto, se ele ainda está louco, se ele está corrompido por magia negra, ou qualquer coisa do tipo. Talvez saibamos mais no jogo e na evolução da lore da Senna.

Deposite $10 e ganhe mais $10

Deixe seu comentário