MSI 2021: “Mostramos que o Brasil consegue bater os times lá de fora”, afirma Tinowns

A paiN Gaming encerrou sua campanha no Mid-Season Invitational (MSI) 2021 com duas vitórias e quatro derrotas, sendo os triunfos garantidos contra o Istanbul Wildcats, da Turquia. Após o último jogo dos brasileiros no campeonato, Thiago “Tinowns” Sartori conversou com o The Clutch Esports sobre o desempenho da equipe no torneio.

A respeito das derrotas sofridas por PSG Talon e MAD Lions, Tinowns aponta que apesar das adversidades, o elenco mostrou que a região do Brasil tem potencial para bater de frente contra outras.

“É uma sensação ruim, pois chegamos perto de finalizarmos alguns jogos. Acho que, hoje não conseguimos aplicar nosso jogo, mas mostramos que o Brasil consegue bater os times lá de fora”, contou Tinowns.

Além disso, o meio dos tradicionais fez questão de enaltecer a força dos demais campeões regionais e citou que mesmo com as dificuldades de encontrar treinos, se sente feliz pelas atuações dos times no MSI.

“No MSI, são apenas os campeões de outras regiões, é um campeonato complicado por ser MD1 e por ter poucos times treinando conosco. Até chegamos a ficar sem treinos, mas tenho orgulho de estar aqui com esse time e posso falar com toda certeza que este grupo era o melhor para representar o Brasil”, afirmou o jogador.

Quando perguntado sobre a melhora no early game e o declínio do mid/late game, Tinowns apontou que a demora para entender a maneira como se deveria jogar no atual meta fez com que a paiN tivesse dificuldades em planejar melhores drafts para o torneio.

“Teve alguns problemas que prejudicaram o nosso jogo, demoramos um pouco para ler o meta, e isso deu uma atrapalhada e confundiu bastante a gente em alguns drafts, também tivemos erros na lane phase. Em alguns drafts ficaram difíceis, principalmente contra o PSG. Mas, de modo geral, todos os times são muito bons e em um mínimo detalhe já muda completamente o jogo”, revelou.

Voltando a disputar um torneio internacional depois de seis anos de sua última participação, pela KaBuM! e-Sports, Tinowns afirma que foi um sentimento especial e que deu o melhor de si pela equipe.

“Me sinto muito especial de estar aqui [na Islândia] representando o Brasil mais uma vez. Fazia muito tempo que eu sonhava com isso. Teve jogos que joguei bem, consegui dar o meu melhor e outros não”, disse o meio.

Tinowns também falou as equipes do MSI punem mais os erros que as do CBLOL e que isso servirá de motivação para chegarem mais fortes para a próxima temporada.

“Aqui é uma competição muito acirrada, então erros que cometíamos no Brasil não éramos tão punidos. Agora, voltaremos ao Brasil com a mesma mentalidade de sermos um time forte. Não sei o que vai acontecer, mas vendo esse campeonato, vi que tenho nível bom para jogar contra os melhores”, contou Thiago.

Por fim, Tinowns também contou que com esse mesmo time, pode buscar novamente o título do segundo split e voltar a representar o Brasil internacionalmente, dessa vez no Campeonato Mundial, a ser realizado no segundo semestre, na China.

“Com o time que temos, já éramos fortes no CBLOL. Se for para para ver, temos quatro times [no Brasil] no máximo que são fortes, mas, de modo geral, dá para ganhar. Nesse split, começamos meio que lento, mas o que importa é que mantivemos a constância, a resiliência e conseguimos ganhar”, finalizou Tinowns.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui